31 março 2006

na rua onde moro

não fora ela não saberia
quem foste de onde vim
desta terra que tenho em mim
que tanto destrói como cria
quem me fez num qualquer dia
sob um céu de carmim
ou de outro qualquer enfim
não interessa nem eu quereria

há na rua onde moro
uma placa que me diz

30 março 2006

Hoje casava contigo...

Sienna Miller
Sienna Miller
my number one

28 março 2006

Podes dar-me razão? /.2

Por vezes pensamos que uma relação, porque faz sentido, tem de existir. Fomos feitos um para o outro, por isso, a nossa relação tem de existir. Fomos feitos um para o outro e, quando a relação deixa de existir, tudo cai com ela... e uma relação não tem de existir. Existem outras perfeições. Existem outras pessoas. existem outros relacionamentos tão bons, melhores. Por isso, podemos existir, mas não temos de

(seria a explicação que daria a este post)

27 março 2006

Hoje casava contigo...

Uma pergunta

1) Uma mulher, adiante designada como "mulher da nossa vida".
2) Uma certeza, adiante designada como "certeza"
3) Um caminho, adiante designado como "vida"

Se um dia percebermos que, com aquela que consideramos a mulher da nossa vida, não faz sentido construir uma vida a dois, com que mulher ficamos, a que certeza nos agarramos, que caminho seguimos?

Podes dar-me razão?

Uma relação não tem de existir. Não existe uma razão para que determinada relação exista. Podemos existir, mas não temos de.

25 março 2006

palavras perigosas

Quero ver-te nua. Deixa-me sentir-te.

A meia luz, de olhos bem abertos, já não havia outro caminho, quando estas palavras se atravessaram à nossa frente. À tua frente. Tu à minha frente.
Nunca hesitaste. Ainda bem. Nunca o quis. Nunca te quis de outra forma. Em nada. Quis outro caminho e que outras palavras nos atropelassem. Fiquei com estas. Fiquei contigo. Nua.

doce

Um beijo teu.

Esse sorriso aberto, sincero, saudoso de outros tempos que nos permitimos reviver, agora cúmplices nesse pecado, sempre cúmplices, sempre pecado, agora também.

24 março 2006

Soltar amarras

De volta a esta casa. Sem nome. A casa tem nome, não tenho eu.

Pergunto-me porque é tão difícil soltar amarras?