04 outubro 2005

rotas

Deixei de te ler. Deixei também de escrever-te e de traduzir em palavras todas as contradições que geras. Na verdade, continuo a escrever-te, como agora, mas já não lês. Deixaste de te ler em mim. É isso. Estou aqui, sem te ler porque escolhi outro caminho. Sempre a caminho de ti.