11 outubro 2005

Nada mais que a verdade (2)

Toda a verdade e nada mais que a verdade. E, sabendo o que sei, porque disseste, vivendo o que vivi, contigo, não faz sentido se deixámos de ter esta inocência. Não sei onde a perdi. Deixei de acreditar. Parece que deixei de acreditar no único Pai Natal que conheci, mas não deixei de acreditar em ti. Simplesmente, deixei de acreditar em nós.

Ontem dizia-se que os políticos não ganham se disserem a verdade, toda a verdade e nada mais que a verdade. Meias verdades?! Talvez resida aí o truque da política. Talvez também aí esteja a solução para a vida.

O meu problema é que não quero metade de ti.

Quero-te toda.