10 outubro 2005

desejos

Desejo-te.
Desejo-te quando não te vejo e procuro-te de olhos fechados. Não preciso de os abrir para chegar até ti. A estrada que nos une já a percorri demasiadas vezes para conseguir fazê-la de olhos fechados. Em sonhos.
Não sei de que forma poderei ser teu. Quero ser de alguém. Não ser de mais ninguém, senão meu.
Talvez não tenhas de existir. Em mim.