25 outubro 2005

desculpe?!

- Desculpe, posso fazer-lhe uma pergunta indiscreta?

Quando, às oito horas da manhã, uma rapariga, cuja beleza tinha estado a apreciar, discretamente, nos últimos 10 minutos, nos atira com uma pergunta destas à cara é caso para questionar onde acaba o sonho e começa a realidade. Porque, até àquele instante, só em sonhos eu tinha estado com ela.

- Sim, claro.